Inbound Marketing

Em português, o termo “inbound” pode ser traduzido como “entrada”. Ou seja, o Inbound Marketing é o Marketing de Entrada. E não é à tôa. Afinal, o Inbound Marketing se propõe a realmente entrar na conversa do público.

Inbound Marketing

 

As propagandas tradicionais costumam representar uma interrupção na açã do consumidor. Seja um intervalo em um programa de televisão, um anúncio em meio às notícias de um jornal ou um vídeo prévio ao que se queira assistir no Youtube, por exemplo.

 

O Inbound Marketing, por outro lado, visa criar um relacionamento com a audiência (e potenciais clientes) do negócio, a fim de influenciar progressivamente na decisão de compra desses consumidores. Mas sem interrompê-los; pelo contrário:

  • atraindo o público por meio de conteúdos ricos e outras estratégias,
  • educando os consumidores sobre o segmento do negócio,
  • transformando a marca em referência sobre determinado assunto,
  • criando clientes mais fiéis e engajados
  • e otimizando o processo de vendas continuamente, por meio da análise de resultados.

 

No Inbound Marketing todas as ações e resultados podem ser mensurados e analisados.

 

Com Inbound Marketing é possível ter noção exata do número de visualizações, conversões e vendas, entre outros variados dados que podem auxiliar em um melhor planejamento das estratégias do negócio.

 

Mas como em todo relacionamento, é preciso reconhecer as divergências humanas. Afinal, cada consumidor encontra-se em um diferente momento da jornada de compra (pode não estar interessado, pode estar disposto a ouvir mas ainda não a comprar ou pode até estar no momento da decisão de compra). Por isso, o Inbound Marketing atua em cinco etapas básicas:

 

1 – Atrair

A aplicação do Inbound Marketing começa pela atração do público.

Atrair

 

Para isso, a marca/empresa pode usar alguns mecanismos de atração, como:

  • um blog com conteúdos ricos, ou seja, conteúdos de interesse do público que tenham relação com a marca/empresa (sejam temas de utilidade ou de entretenimento);
  • SEO – Search Engine Optmization – conjunto de estratégias com o objetivo de otimizar a visibilidade e o posicionamento do site da empresa/marca entre os resultados de buscas do Google;
  • anúncios na própria web, seja com links patrocinados nas buscas do Google, seja com banners na rede de displays;
  • e anúncios em redes sociais também podem ser uma boa estratégia de atração, desde que, assim como nos demais casos, faça-se uma boa segmentação do público a ser atingido.

Usando instrumentos como esses, é o cliente que procura a empresa/marca, não o contrário. E esse é um dos princípios do Inbound Marketing.

 

2 – Converter

Após atrair a atenção do público, o próximo passo é convertê-lo em potenciais clientes. Ou seja, dar continuidade na aproximação a fim de criar um relacionamento, como é o objetivo do Inbound.

Converter

 

Isso quer dizer que é o momento de descobrir nomes e outros dados, para iniciar uma conversa mais próxima.

Na linguagem do Inbound Marketing, esses tipos de cadastros do público interessado são chamados de “Leads”. E para converter visitantes (do blog ou site empresarial) em Leads (obtendo cadastros/informações dos usuários), uma boa tática é oferecer algo em troca que seja útil a esses visitantes. Alguns exemplos:

  • ofertas diretas, como testes gratuitos, demonstrações de software, pedidos de orçamento, etc;
  • ofertas indiretas, como e-books, webinars, pesquisas e estudos, infográficos, quizzes, etc;
  • landing pages – ou páginas de aterrisagem – páginas únicas (não funcionam como um site) que tem por objetivo maior a própria conversão (cadastro do usuário).

 

3 – Relacionar

Convertido o visitante em um relacionamento, é preciso mantê-lo interessado e engajado, a fim de compreender em que momento da jornada de compra ele se encontra e influenciá-lo de forma certeira em sua decisão de compra.

Relacionar

 

Um bom plano para isso pode incluir o envio de newsletters e e-mails promocionais – mediante autorização dos consumidores e de maneira racional e planejada.

Outra estratégia de relacionamento que tem despontado no mercado é a Automação de Marketing, um processo que permite a “nutrição de Leads” (alimentar os consumidores cadastrados com conteúdo) de forma automática e escalável.

 

4 – Vender

Todo o processo de atração, conversão de Leads e relacionamento visa gerar vendas e oportunidades de negócio para a empresa/marca.

Vender

 

Em geral, quanto mais complexo for o produto ou serviço negociado, mais fica clara a importância de uma boa etapa de relacionamento, com uma nutrição de Leads eficaz, alimentando o futuro consumidor com informações e conteúdos úteis e educativos, até o momento de efetivação da compra/venda.

 

5 – Analisar

Analisar dados, avaliar resultados e comprovar taxas de retorno dos investimentos são alguns dos principais diferenciais do Marketing Digital.

Analisar

 

No Inbound Marketing, essa análise cumpre papel fundamental, em todas as etapas, sendo responsável por retroalimentar todo o processo.

Para isso, algumas ferramentas bastante indicadas são o Google Analytics – relevante para qualquer estratégia digital – e a RD Station – ferramenta completa específica para Inbound Marketing.

 

No fim das contas, mensurando os dados, o Inbound Marketing já provou ser uma metodologia que funciona e traz bons resultados. Inclusive, pode ser uma boa oportunidade para quem deseja ter bom retorno do Marketing Digital com menor investimento.

 

Gostou do artigo? Sabia que a Labbo é especialista em estratégias de Inbound Marketing? Entre em contato para saber mais. Obrigado pela leitura.